Experiências dos Praticantes

O SIGNIFICADO DAS EXPERIÊNCIAS DE OUTRAS PESSOAS

A capacidade de analisar as experiências dos outros, pode ser um ótimo complemento à nossa formação pessoal. Isso permite que o praticante revise e reflita sobre situações que ele ainda não tenha encontrado pessoalmente. Quanto mais o praticante analisa as experiências de outros praticantes, menos erros cometerá durante a prática individual.

A leitura das experiências contidas nesta seção trará muito mais conhecimento, que poderá ser utilizado para a prática adequada da FASE. As ações que esses praticantes realizaram para alcançar resultados, serão retidas pela memória subconsciente do leitor. Mais tarde, essas ações poderão reproduzir circunstâncias semelhantes na FASE, proporcionando oportunidades valiosas para a realização de ações apropriadas.

Nos estágios iniciais da prática, muitos praticantes carecem de descrições de experiências reais, enquanto existe uma abundância de conhecimentos técnicos relacionados com a FASE. As técnicas podem ser conceituadas de várias maneiras diferentes, enquanto as descrições de sua aplicação são muito mais demonstrativas. Assim, muitos praticantes não têm nenhuma idéia sobre como uma prática genuína acontece.

As experiências descritas nesta seção são úteis, mesmo do ponto de vista psicológico. Mesmo que uma pessoa acredite que o fenômeno FASE exista, ele pode ser interpretado como extremamente difícil ou pessoalmente impossível. Depois de aprender sobre as experiências de outras pessoas, o praticante perceberá que elas foram capazes de entrar na FASE, sem a utilização de nenhuma técnica complicada ou incompreensível. O leitor entenderá que a chave está na tomada de atitudes certas no momento certo, tentando dominar a FASE com calma e confiança.

Ao rever e analisar experiências de outras pessoas, nesta seção, o leitor deve lembrar-se que essas experiências são baseadas em crenças pessoais sobre o fenômeno, e é por isso que terminologias e conceitos ligados ao ocultismo podem ser encontrados. No entanto, tais aspectos das descrições não são importantes. O foco deve ser direcionado às ações relacionadas e às técnicas descritas. O leitor também deve levar em consideração que algumas nuances, como o realismo experiencial, nem sempre são claras no texto e que nem sempre é possível determinar o por que de certos eventos terem ocorrido nas experiências de FASE aqui descritas.

Todas as descrições a seguir pertencem a pessoas reais que as contaram via oral, escreveram durante as aulas na Escola de Viagens Fora do Corpo, enviaram por e-mail, ou postaram no fórum do site www.obe4u.com. Embora o número total de descrições registradas de FASE ultrapasse mil, foram selecionados apenas alguns casos que são ilustrativos e úteis para o desenvolvimento de análise. Principalmente, estas são descrições de experiências dos praticantes em suas FASES iniciais, que são as mais relevantes para os praticantes novatos.

O grande número de erros cometidos por quase todos os praticantes, independentemente do seu nível de experiência, não devem ser levados muito a sério enquanto os comentários forem lidos. Na verdade, é rara uma ocasião em que a FASE é vivida sem erros relacionados às técnicas. Todo mundo comete erros.

Os experimentos estão listados em ordem crescente de qualidade e número de ações executadas adequadamente. Os relatos foram publicados com a permissão dos autores.

ANÁLISE DAS EXPERIÊNCIAS DE PRATICANTES SELECIONADOS

Número 1

Boris Pronyakin

Redator. Kiev, Ucrânia

Acordei no estado “correto”. Imediatamente senti vibrações, e antes que eu tivesse tempo para pensar sobre qualquer coisa, eu fui jogado para fora do meu corpo por um forte empurrão. Eu comecei a cair. Eu não tinha visão, o chão havia desaparecido. Como um avião mergulhando de nariz, eu estava em queda livre. Eu continuei caindo mais e mais rápido. Comecei a sentir que estava perdendo o controle. A única coisa que eu podia fazer era aumentar a velocidade com a qual eu caía. Tentei todas as opções que me ocorreram para tentar manter a FASE naquele momento; só diminuiu meu grau de consciência. Tocar em alguma coisa não resolveu nada para mim, pois eu era apenas um espírito sem corpo em um completo vácuo. A visão também estava ausente. Comecei a entrar em pânico devido à um retorno espontâneo iminente. Mas a aceleração da queda também não ajudou, e eu estava voando e esperando o momento em que eu seria jogado para fora no mundo dos sonhos. E eu cai dessa forma até o momento que adormeci.

Perguntas: Será que Boris descreveu uma técnica direta ou indireta? O que ele poderia ter feito se não tivesse ocorrido a separação espontânea? Como Boris poderia ter utilizado mais corretamente as técnicas de aprofundamento? Por que Boris não foi jogado em um episódio de FASE? Por que ele adormeceu?

Respostas e Comentários: Uma técnica indireta foi empregada. Se a separação espontânea não tivesse ocorrido, Boris poderia ter tentado a separação por conta própria. Se uma tentativa de separação tivesse falhado, seria necessário implementar técnicas indiretas, intensificar as vibrações, e tentar mais uma vez a separação. Para se aprofundar e, nesse meio tempo, chegar a um destino enquanto estivesse caindo, Boris deveria ter aplicado técnicas de translocação e, ao chegar a algum local, ter continuado a aprofundar por meio da amplificação sensorial. Por exemplo: ele poderia ter aplicado a técnica de translocação através do teletransporte com os olhos fechados ou simplesmente tentado avistar as mãos através da escuridão, que também teria induzido a uma saída.

Boris também não prestou nenhuma atenção ao rugido em seus ouvidos. Poderia ter sido usada a técnica da audição interna, que teria ajudado a aprofundar e a manter. A falta de um objetivo definido para pousar em algum lugar, resultou em sua queda sem fim, embora nem sempre acontece desta forma. Boris adormeceu devido a sua passividade e também porque ele se esqueceu de que dormir era uma possibilidade, embora ele tenha se lembrado da possibilidade de um retorno acidental à realidade.

Número 2

Alexei Bakharev

Engenheiro. Sochi, Rússia

Esta foi a primeira vez que eu consegui tornar-me consciente durante o sonho. Antes de adormecer, eu me concentrei na escuridão diante dos meus olhos e tentei manter-me consciente, enquanto eu podia. De repente, eu sonhei que estava levitando até o teto, o que resultou na minha tomada de consciência de que eu estava sonhando. Meu corpo fantasma respondeu mal à tentativas de controlá-lo, e simplesmente pairou abaixo do teto. Havia duas pessoas sentadas abaixo, no chão. Eles estavam olhando na minha direção, mas parecia que não estavam me vendo. Neste momento eu acordei e senti uma espécie de formigamento e coceira nas pernas.

Perguntas: Quais os fatores que levaram à entrada na FASE através da consciência dos sonhos? O que precisava ser feito enquanto ele paira abaixo do teto? Por que o retorno espontâneo aconteceu tão rápido? O que deveria ter sido feito imediatamente após o retorno ao corpo?

Respostas e Comentários: A consciência do sonho ocorreu devido à intenção de Alexei em concentrar-se no espaço diante de seus olhos e seu desejo de permanecer consciente enquanto fosse possível. O processo de tornar-se consciente foi causado pela sensação de voar durante o sonho. Voar quase sempre se torna uma âncora para a consciência dos sonhos. Imediatamente após a FASE ter ocorrido, Alexei deveria ter começado o aprofundamento. Ao invés disso, ele simplesmente pairou e observou. Apesar da dificuldade em executar os movimentos, eles ainda deveriam ter sido realizados de forma muito ativa e com continuidade. Como resultado, clareza e um aprofundamento da FASE teria se seguido. Sua saída inadvertida da FASE aconteceu devido à passividade, a falta de aprofundamento e não conformidade com as regras para a manutenção da FASE. Mesmo após ter retornado ao seu corpo, Alexei deveria ter tentado se separar novamente.

Número 3

Dmitry Markov

Mecânico de rádio. Moscou, Rússia

Minha primeira vez foi o evento mais terrível da minha vida. Eu nunca tinha experimentado tamanho terror. Aconteceu em dezembro de 1990. Eu estava caindo no sono na minha cama em casa. De repente, ouvi alguém entrar no meu quarto, mas eu não prestei atenção no “intruso”. Então, duas mãos femininas me agarraram por trás, e, enquanto pressionam a minha barriga, começaram a levantar meu corpo. Eu sentia dedos finos com unhas compridas na minha barriga, mas eu estava completamente paralisado e absolutamente incapaz mover alguma parte do meu corpo ou impor qualquer tipo de resistência. Senti meu corpo passar pelo teto, e, em seguida, foi puxado ainda mais alto.

Eu fiquei com medo que isso pudesse ser a morte. Eu estava com medo, não tanto só da morte como do desconhecido. Tudo isso aconteceu tão rapidamente que eu não me achei preparado para tal “cruzamento” (para ir além). Comecei a rezar. Eu pedi a Deus para me ajudar a me libertar e retornar. Entrei em pânico. Não posso dizer quantos segundos a minha levitação forçada durou ou quão alto eu fui levantado acima da minha casa, mas o momento chegou quando eu imediatamente retornei a minha cama.

Perguntas: Esta entrada na FASE ocorreu de forma deliberada? Que tipo de técnica o levou à FASE? Qual é o nome dado a imobilização completa que Dmitry experimentou? O que ele deveria ter feito para começar a se mover? Por que seu corpo facilmente atravessou o teto? Por que ele foi capaz de parar esta terrível experiência por meio da oração? O que ele poderia ter feito imediatamente após retornar ao seu corpo?

Respostas e Comentários: Esta experiência de FASE foi espontânea e se enquadra na categoria de técnicas diretas, já que não houve lapso significativo no sono. Toda a experiência foi acompanhada por paralisia do sono, e é por isso foi difícil para Dmitry fazer alguma coisa. Para avançar nesse tipo de situação, teria sido necessário intensificar o estado de FASE, usando uma técnica indireta ou redobrando os esforços para se mover.

O corpo de Dmitry atravessou o teto sem qualquer dificuldade, porque não havia visão e a FASE em si não tinha sido aprofundada, caso contrário, não teria acontecido tão facilmente. Rezar e apelar para Deus ajudou neste caso, porque a reza facilita o relaxamento das percepções e a intenção de voltar à realidade: dois fatores que são cruciais para o sucesso das técnicas de retorno de emergência. Ao retornar a seu corpo, ele poderia ainda ter tentado uma outra separação, embora isto teria sido difícil de ser feito devido ao medo associado com a primeira experiência.

Número 4

Ivan Yakovlev

Estudante. Antuérpia, Bélgica.

Eu não sei o que me acordou, mas eu soube, imediatamente, que algo estava fora de ordem. Eu não conseguia abrir meus olhos, e meu corpo estava quase pedindo para subir. Eu entendi o que estava acontecendo: tudo isso indicava que eu estava tendo uma experiência fora do corpo. A primeira coisa que tentei foi levantar a minha mão esquerda; e funcionou. Entendi que era uma mão astral, porque eu podia ver meu corpo através dela. Eu me mudei às pressas e com cuidado para o outro lado da cama. Havia uma sensação estranha na minha cabeça naquele momento. Eu me acalmei e tentei fazer algo novamente. Eu levitei até cerca de meio metro acima da cama. A visão voltou para mim naquele momento e eu vi o que parecia ser o meu quarto, mas não era exatamente, o tapete no chão tinha uma padronagem de cor diferente e a porta estava fechada por algum motivo. Eu não conseguia compreender por que tudo estava iluminado por trás das minhas costas. Então, eu olhei por cima do meu ombro esquerdo e vi uma pequena bola luminosa branca atrás do meu ombro, a uma distância de 20 centímetros. Estava iluminando a sala por cima. Então eu tentei passar pela porta, mas foi incapaz de fazê-lo. Por medo de que eu nunca mais iria voltar ao meu corpo real, eu acordei no mundo cotidiano.

Perguntas: Durante o início de sua experiência, qual fenômeno típico da FASE e do despertar, foi experimentado por Ivan? Que tipo de técnica, direta ou indireta, o levou para a FASE? Que técnicas específicas foram empregadas? Como a sensação de “o corpo apenas pedindo para levantar-se” poderia ter sido usada? O que deveria ter sido feito, imediatamente, quando ele percebeu que era possível levantar a mão? Quais deveriam ter sido as primeiras ações tomadas após a levitação? Por que era desnecessário tentar passar imediatamente pela porta? O que deveria ter sido feito quando Ivan retornou ao seu corpo? Será que este praticante tem uma visão realista ou esotérica da natureza deste fenômeno?

Respostas e Comentários: Ao acordar em um estado de paralisia do sono, Ivan entendeu que ele poderia usar esta oportunidade para a tentativa de entrada na FASE e, imediatamente, começou a separar sem o emprego de técnicas para a criação do estado, uma vez que teria sido supérfluo. Esta foi uma técnica indireta por natureza. Ele poderia, desde o início, ter seguido o seu impulso de levitar, ao invés de mover suas mãos. Depois que sua mão começou a se mover, ele poderia ter se levantado ou se separado. Ao invés disso, Ivan simplesmente rolou e se acalmou por um instante, apesar disso ser fortemente desencorajado, e ser um desperdício dos progressos realizados até então. Então, depois de começar a levitar, ele deveria ter, em primeiro lugar, assumido uma posição distinta da que seu corpo real se encontrava, ter se levantado, e, imediatamente, ter iniciado o aprofundamento. Ao invés disso, ele desviou sua atenção para a fonte de luz e realizou uma tentativa de atravessar a porta.

Mesmo que tudo tivesse sido feito corretamente desde o início, não teria havido nenhuma razão para tentar passar pela porta. Ivan poderia ter simplesmente aberto a porta. A habilidade de atravessar objetos deveria ter sido aprendida, somente após ele ter afinado a capacidade de se aprofundar e de se manter na FASE. Não havia nenhuma razão para voltar por medo, mas mesmo tendo tido um retorno ao corpo, uma nova tentativa imediata de separação provavelmente teria sido bem sucedida.

O uso do termo “mão astral” indica que o praticante tem visões esotéricas sobre o assunto.

Número 5

Natalya Kozhenova

Engenheira. Shchelkovo, Rússia

Quando eu tinha uns 17 ou 18 anos de idade, li alguns artigos esotéricos sobre projeção astral. Eles pareciam bastante interessante para mim, mas não eram mais do que uma curiosidade. Eu, particularmente, não acreditava nessas coisas.

Uma noite, fui para a cama, como de costume. Acordei no meio da noite, mas fui incapaz de mover meu corpo, e havia um barulho alto na minha cabeça. Tendo lembrado desses artigos, eu simplesmente tentei levitar e eu consegui fazê-lo, como se estivesse saindo através da minha testa. A sensação de voar era muito realista, para minha grande surpresa. O primeiro pensamento que me ocorreu foi: ‘Uau, esses caras que escreveram sobre projeção astral não estavam mentindo! “Eu pairei no escuro sobre meu corpo por algum tempo. Pensei em visão, e ela começou a aparecer. Eu, então, voei em direção à janela, e, ao virar em direção ao meu corpo, eu o vi em seu devido lugar. Decidi voar de volta para ele e tocá-lo. Quando eu finalmente cutuquei meu corpo, ele me sugou, causando uma sensação muito estranha.

Perguntas: Que tipo de técnica Natalya usou? O que ela precisaria fazer se sua tentativa de levitação tivesse sido bem sucedida? Por que a FASE foi de curta duração? O que ela deveria ter feito ao retornar ao seu corpo? Por que ela usou o termo “astral”? Os artigos sobre projeção astral auxiliaram-na de alguma forma significativa?

Respostas e Comentários: Ao acordar em um estado de paralisia do sono, Natalya se deparou com a idéia de empregar técnicas indiretas. Ela conseguiu se separar imediatamente, mas se ela tivesse tido problemas em fazê-lo, ela poderia ter começado a técnica de audição interna para tirar proveito do “ruído” em sua cabeça. A FASE durou pouco, devido à falta de atividade e à não execução de técnicas de aprofundamento e de “manutenção”. Depois de ter voltado para seu corpo, ela deveria ter tentado se separar imediatamente.

Natalya tem pontos de vista esotéricos sobre a natureza do fenômeno FASE, e é por isso que ela usa essa terminologia. No entanto, os artigos ajudaram-na a realizar as ações corretas no momento certo.

Número 6

Alexander Furmenkov

Estudante. São Petersburgo, Rússia

Acordei no começo da noite, depois de algumas dificuldades em adormecer. Imagens borradas começaram a flutuar diante dos meus olhos e eu percebi que poderia entrar na FASE. Eu comecei a descartar as imagens desnecessárias, e depois de escolher uma delas, eu apareci em algum tipo de corredor amarelo. O nível de realismo e consciência geral da experiência foi cerca de 80% a 90%. Lembrei-me sobre os métodos para o aprofundamento e comecei a olhar para tudo o que estava acontecendo ao meu redor, mas isso não trouxe nenhum resultado sério. Comecei a me tocar, mas toda a sensação parecia um pouco atenuada. Eu percebi que estava perdendo a consciência. Eu me dei conta, mas, no entanto, cai no sono em cerca de 20 segundos.

Perguntas: É possível chamar a técnica utilizada nesta descrição de uma técnica direta? Que técnica específica para a criação da FASE foi empregada? Que técnica de separação Alexander usou? O que poderia ter sido a razão para a “sensação atenuada” e a incapacidade de se aprofundar? O que o levou a adormecer?

Respostas e Comentários: A técnica empregada não pode ser considerada uma técnica direta, embora tenha sido utilizada no início da noite. Por alguma razão, parece que o lapso preliminar de consciência no sono foi significativo. Se este sono preliminar, tivesse durado apenas alguns minutos, a técnica poderia ter sido considerada parcialmente direta. A técnica para a observação de imagens foi empregada corretamente, pois as imagens apareceram por conta própria.

Alexander não empregou nenhuma técnica de separação. Como a técnica de observação de imagens, muitas vezes, leva o observador até a imagem observada ou até algum outro mundo, foi exatamente o que aconteceu com ele. Muito provavelmente, a superficialidade da FASE deveu-se devido aos escassos níveis de atividade e motivação, causados pelo fato de que aconteceu no início da noite. O praticante adormeceu porque ele não aprofundou o suficiente e não evitou cair no sono. A atividade geral também foi muito baixa. O desejo do corpo em adormecer desempenhou um papel importante no processo. Alexander, afinal, teve problemas para dormir.

Número 7

Roman Reutov

Administrador do Sistemas. Samara, Rússia

Realmente, as coisas mais interessantes, quase sempre acontecem inesperadamente.

Depois de uma pausa suficientemente longa nas minhas tentativas de ir para o outro mundo, esta noite eu decidi tentar de novo. Eu “joguei a toalha” depois de outra tentativa sem sucesso, rolei para o outro lado, e decidi simplesmente ter uma boa noite de sono. Eu não sei exatamente quanto tempo passou enquanto eu estava deitado pensando sobre o que eu ainda estava fazendo de errado, enquanto observava imagens interessantes que minha imaginação estava desenhando. Mas em um determinado momento, de repente, senti o fenômeno que é comumente referido como vibrações. Comecei a intensificá-las (devo acrescentar que a sensação é indescritível), mas eu não podia levitar, embora eu realmente quisesse dar uma olhada em mim mesmo a partir do exterior. Decidi simplesmente ficar em pé, e foi quando tudo se tornou mais interessante! Todo o processo de transição de uma posição horizontal para uma vertical foi acompanhado por vibrações cada vez mais palpáveis, e um som cada vez mais alto que rugia na minha cabeça. A sensação era a mesma experimentada ao ir para a cama depois de não ter dormido por 24 horas e, em seguida, ser subitamente despertado por alguém: minha cabeça rodava, tudo começou a crepitar (estalar) por dentro, e eu estava prestes a perder a consciência. Então, uma imagem piscante começou a aparecer. As sensações estabilizaram-se após um ou dois segundos, o rugido na minha cabeça foi desaparecendo, e eu percebi que eu estava sentado na minha cama.

Eu estava em meu apartamento. Achei que ele estava visivelmente alterado. Meu quarto parecia mais ou menos o mesmo, embora o interior era, de fato, diferente, após uma análise mais detalhada. Por exemplo: o meu telefone celular, que sempre está ao alcance, de alguma forma era um modelo mais antigo e diferente. Ele acabou por ser o primeiro objeto que eu testei. Eu, de repente, queria muito saber que horas eram e verificar em que dia do mês estava. Eu sentia claramente o telefone na minha mão, mas ao tentar me concentrar e olhar para o visor, eu fui jogado de volta para a realidade. Eu imediatamente sai (novamente) do meu corpo e decidi simplesmente passear pelo apartamento enquanto tentava lembrar o que eu poderia experimentar. Tentei criar um objeto, mas não deu certo e resultou em alguma atividade mental. Isso fez com que a FASE se dissolvesse e eu fosse jogado de volta à realidade. No total, foram cerca de cinco entradas sucessivas na FASE, que duraram de 2 a 3 minutos cada. As experiências definitivamente não eram estáveis, e é por isso que eu fiquei examinando os arredores com pressa, tentando sempre encontrar qualquer coisa sobre a qual eu pudesse colocar minhas mãos. No entanto, houve uma boa quantidade de impressões, considerando que foi a minha primeira entrada.

Perguntas: Que tipo de técnica Roman usou para entrar na FASE? Quais foram os precursores-chave da FASE? Qual técnica de separação foi utilizada? Se Roman não tivesse se separado completamente, que técnica, além das relacionadas com as vibrações, ele deveria ter considerado? Qual é a razão mais provável para todos os retornos espontâneos? Que única ação permitiu que o praticante tornasse a FASE cinco vezes mais longa?

Respostas e Comentários: A entrada na FASE foi conseguida por intermédio de uma técnica direta, sendo a posição confortável que Roman estava, o principal catalisador. ### Nesta frase diz posição confortável, na próxima diz posição desconfortável. Qual é a correta? ### O fato de Roman estar deitado em uma posição desconfortável, fez com que sua mente não fosse capaz de desativar completamente a percepção física, e esta foi provavelmente a razão pela qual não houve lapsos curtos nos sonhos. ### Afinal, posição confortável ou desconfortável ### Se Roman ainda fosse incapaz de se separar quando utilizou a técnica de levantar-se, ou qualquer outra técnica além de intensificar as vibrações, ele poderia ter tentado a audição interna, pois havia algum ruído.

Ao invés de usar sua primeira experiência de FASE para dominar as habilidades básicas de aprofundamento e de manutenção, Roman imediatamente tentou realizar experiências complexas, razão pela qual suas várias entradas na mesma FASE foram breves, de baixa qualidade, e não aproveitadas de forma eficaz. Mas tudo isso é típico das primeiras experiências e muito ainda foi realizado, especialmente considerando que tenha sido aplicada uma técnica direta. O comprimento relativo da FASE foi alcançado, principalmente, graças a ele ter executado a única maneira de manter a FASE, repetidas separações, que Roman conseguiu fazer cinco vezes.

Número 8

Alexander Dyrenkov

Estudante. Moscou, Rússia.

Minha primeira entrada aconteceu à noite. Eu estava deitado na cama e pensava sobre a FASE, pois eu tinha sido incapaz de adormecer por um tempo. Eu cochilei por um momento e depois acordei novamente, desta vez já no estado adequado, e então facilmente rolei para fora (mais ou menos inconsciente e reflexivamente). Aprofundei utilizando técnicas de toque e depois mergulhando de cabeça. É uma pena que eu já tenha esquecido boa parte da experiência, mas me lembro que depois do aprofundamento, caí direito para baixo no pátio da casa da minha avó, mas depois perdi a consciência, e assim voltei para o meu corpo e rolei para fora dele várias vezes. Eu fui incapaz de aguçar todos os meus sentidos: Quando eu aprofundava um sentido (toque, por exemplo), outro (visão, por exemplo) desaparecia. Depois disso, eu tive uma lacuna na minha memória sobre minhas viagens (a consciência e a lucidez eram fracas, e eu adormeci e “reapareci” várias vezes), mas eu lembro de ter estado em muitos lugares.

Assim foi como o episódio terminou: eu mergulhei de cabeça em água, à partir de um trampolim alto (depois de primeiro ter aprofundado um pouco), e então o meu sentido do tato cresceu e se tornou mais nítido: eu senti a água e bati com a cabeça muito suavemente contra o fundo. Retomei a queda interrompida usando a força de vontade, mas depois ocorreu-me que minha avó queria me acordar. Meu nível de consciência não era muito adequado, pois não me ocorreu que eu estivesse realmente dormindo em minha cama, e sim na casa da minha avó. Foi por isso que decidi que precisava retornar ao meu corpo. A queda acentuada ocorreu logo após esse pensamento, e foi seguida por sensações semelhantes às que se experimenta quando se está de ressaca.

Perguntas: Foi aplicada uma técnica direta ou indireta? O que fez com que a implementação da técnica tivesse tido sucesso? Por que Alexander foi jogado para o quintal de sua avó? Enquanto estava aprofundando, como poderia ser solucionado o problema dos sentidos estarem sendo reforçados apenas um de cada vez? Por que o praticante teve lacunas em sua memória? Quais foram os principais problemas associados com a manutenção da FASE?

Respostas e Comentários: Apesar do breve lapso de consciência, foi utilizada uma técnica direta. O lapso facilitou em muito o surgimento imediato do estado necessário, mesmo que esta tenha sido a primeira experiência de Alexander. A ejeção para o quintal de sua avó foi espontânea, e foi provavelmente causada por algumas reflexões anteriores sobre o local ou por ter o hábito de ir lá. Translocações inesperadas, muitas vezes ocorrem quando se executa um aprofundamento ao cair de cabeça.

Muito possivelmente, para evitar que os sentidos da visão e do tato melhorassem um de cada vez, ele deveria ter aplicado simultaneamente as técnicas referentes a cada um deles. Para manter a FASE, houveram três principais problemas que também foram causas diretas das lacunas na memória de Alexander: pouca profundidade, a falta de um plano claro de ação e não conformidade com as regras para a manutenção da FASE (com a exceção de múltiplas entradas, após retornar ao corpo).

Número 9

Svyatoslav Baranov

Estudante. Perm, Rússia.

Acordei de lado. Eu senti que não iria mais dormir, mas, de qualquer modo, fechei os olhos. Quando eu deitei de costas, imediatamente tive a sensação de que estava prestes a cair do sofá (eu estava deitado na borda), e algum tipo de lapso ocorreu, como se eu estivesse sendo puxado para algum lugar. Deitei-me mais uma vez, comecei a escutar um zumbido, e uma luz verde apareceu diante dos meus olhos. Deitei-me ainda mais longe, e minhas pálpebras começaram a vibrar. Naquele momento pensei que eu pudesse cair do sofá, mas então a minha visão surgiu, e eu observei que já estava deitado no chão, ao lado do sofá! Levantei-me e notei que a sala estava “girando” como se eu estivesse bêbado, mas tudo rapidamente voltou ao normal. Naquele exato momento, entendi que era isso! A FASE em si!

Em êxtase, esqueci de todas as técnicas e fui examinar a sala. Tudo era exatamente como na realidade, mas algumas coisas estavam fora de lugar. Eu tentei levitar e me dobrar para trás, e fui, de alguma forma, empurrado para fora. Anoitecia lá fora, e havia muita neve no chão. Circulei a casa e tentei levitar. Eu fui capaz de flutuar para cima, e vi o horizonte e o pôr do sol. Mas então eu comecei a perder altitude. Depois de ter voado para a janela, do outro lado da casa, eu quis ir até o telhado, mas ocorreu um retorno espontâneo. Em uma fração de segundo, tive a sensação de que eu não estava em nenhum lugar. Mas, então, abri meus olhos reais (com dificuldade) e tive, mais uma vez, a sensação de algum tipo de lapso. O nível de consciência esteve fraco durante a FASE, aparentemente devido a não ter dormido o suficiente.

Perguntas: Que tipo de técnica de entrada em FASE Svyatoslav usou? Que técnica específica produziu resultados? Qual técnica de separação foi utilizada? Se a separação tivesse sido mal sucedida, que técnica deveria ter sido imediatamente usada? Que ações importantes que ele não executou suficientemente depois de ter entrado na FASE? O que deveria ter sido feito após o retorno espontâneo? Por que o nível de consciência esteve fraco durante a FASE?

Respostas e Comentários: Foi empregada uma técnica indireta. Não foi empregada por Svyatoslav nenhuma técnica de criação de estado de FASE. Ao invés disso, a separação imediatamente ocorreu através da rolagem para trás. Se a separação não tivesse tido sucesso, ele deveria ter procedido com a observação de imagens, o que teria sido possível por haver a presença de uma luz verde.

O aprofundamento não foi imediatamente realizado, nenhum esforço foi feito para a manutenção, e não houve nenhum plano de ação, no entanto, este não é um fator crucial durante as primeiras experiências. Deveria ter sido feita outra tentativa de entrada na FASE no momento em que houve o retorno ao corpo, mas isso também foi esquecido. O nível de consciência foi tênue e a memória fraca durante a FASE, por causa da superficialidade inicial do estado, o que se refletiu na percepção das imediações e também nos processos de pensamento.

Número 10

Oleg Sushchenko

Esportista. Moscou, Rússia.

Ontem à noite eu passei cerca de uma hora desenvolvendo a interação de imagens na minha mente, depois que eu deixei de sentir todas as percepções cinestésicas. Eu estava deitado de costas em uma posição desconfortável. Depois de dormir por algum tempo, senti ligeiras vibrações e ecos dos sons do mundo dos sonhos, mas a posição desconfortável ainda me incomodava. No final, eu pensei “Dane-se!”, e decidi deitar-me, porém, estava confortável, e eu me virei e me deitei de barriga para baixo. Apesar do fato de que o movimento perturbou o processo, após cerca de cinco minutos o estado começou a retornar e formar-se novamente. Eu era capaz de perceber um pouco de vibração, embora eu fosse incapaz de amplificá-la. Eu desenhei a foto de minha cozinha em minha mente, e pelo fato das imagens nesse estado serem realmente vívidas, fortes e realistas, depois de algum tempo eu entendi que não estavam ali apenas minha atenção e minha consciência, mas também minhas sensações corporais. Fiquei muito surpreso que a FASE tinha sido tão fácil ser alcançada (não havia dúvida de que era a FASE).

Eu saltei pela janela e comecei a voar ao redor do pátio. Na verdade, foi a primeira vez que eu tinha conseguido voar à partir de um único comando mental, sem qualquer esforço físico, como ocorre durante os sonhos. O pátio possuía apenas 10% de similaridade com seu homólogo da vida real, mas eu não estava nada surpreso com isso. Eu desfrutei tanto quanto pude do que eu podia ver e não fui imediatamente expulso. Mas, depois de ter olhado e chegado na cidade, surgiu a dúvida daquele estado ser a FASE e não apenas um sonho lúcido. Eu estava tão consciente no sonho que eu era capaz de conhecer e compreender os termos, e estabelecer diferenças entre eles; você pode imaginar? Tenho que acrescentar que dei pouca atenção à minha memória, por isso não posso dizer o quanto a minha “auto-consciência” estava lá, mas eu estava consciente o suficiente para ser capaz de diferenciar entre a FASE e um sonho lúcido (ou pelo menos, pensar sobre a diferença). Eu mesmo fui e perguntei às pessoas ao redor se era a FASE ou um sonho lúcido. Parece engraçado, não? O mais engraçado foi que eles responderam que era um mundo diferente, e eles se recusaram a discutir o tema comigo com mais profundidade. Então, eu decidi não misturar tudo em minha mente e apenas seguir com o que tinha sido planejado, o que acabou por ser bastante longo e ininterrupto! Lembrei-me de um momento do dia anterior em que eu tinha deitado e induzido a FASE enquanto estava deitado de costas, e como eu tinha virado e voado para longe. Lembrei-me de tudo isso periodicamente durante o decurso da FASE, e percebi que eu deveria tentar perguntar mais tarde no fórum sobre o que estava acontecendo comigo.

Então, mais tarde na FASE, eu me encontrei em um porão. Como havia apenas um cheiro realmente desagradável lá, eu decidi que já tinha tido o suficiente e que era hora de voltar. Isso aconteceu até mesmo com mais facilidade. Logo que pensei em voltar, uma vibração leve como uma brisa passou por mim, e então eu estava de volta no meu corpo com plena consciência e com o corpo e a mente bem descansados. Eu estava completamente renovado! E isso apesar do fato de que eu ter me lembrado de tudo, cada segundo do sonho, a partir do momento em que comecei a voar!

Perguntas: Que tipo de técnica ajudou Oleg a entrar na FASE? O que inicialmente tornou mais difícil a entrada na FASE, e isso, mais tarde, poderia ter tido um efeito positivo nos resultados? O que pode ser dito sobre técnicas relacionadas com vibrações no contexto da entrada de Oleg na FASE? Que técnica específica o levou até o estado de FASE? Que ações iniciais deveriam ter sido tomadas após a entrada na FASE? O que estava faltando, que poderia ter proporcionado um uso mais produtivo da FASE? Valeu a pena a imediata translocação saltando pela janela? Qual foi a causa da reflexão sobre se a experiência foi a FASE ou um sonho consciente? Foi benéfica a tentativa de aprender com objetos que tipo de estado ele estava experimentando? Por que surgiu o desejo de retornar ao corpo, e o que poderia ter causado isso?

Respostas e Comentários: Oleg entrou na FASE usando uma técnica direta. Ele foi inicialmente incapaz de entrar devido à posição desconfortável que ele tinha assumido, embora tivessem ocorrido lapsos de consciência em sonhos curtos. No entanto, a técnica que inicialmente não teve sucesso, ainda terminou com um resultado positivo, porque o estado em que Oleg se encontrava, estava perto da FASE. No entanto, não deveria ter sido dada atenção às técnicas de amplificação da vibração, principalmente tensionando o cérebro e tensionando o corpo sem o uso de músculos, uma vez que pode ser prejudicial durante a técnicas diretas.

A técnica de visualização foi utilizada imediatamente antes da entrada na FASE, ao invés da técnica de observação de imagens, que é usada com mais freqüência. Oleg, deliberadamente, criou as imagens observadas, ao invés de procurá-las na frente de si mesmo, que é onde está a diferença entre as técnicas. No entanto, ele não realizou aprofundamento ao entrar na FASE. Além disso, ele não tinha nenhum plano de ação claro para garantir que a FASE seria produtiva. Começar a translocar saltando através das janelas, deve ser feito apenas por aqueles com uma certa quantidade de experiência, ao passo que os iniciantes, por vezes, percebem a realidade como sendo a FASE, ou a FASE como sendo a realidade.

A razão para a reflexão sobre a natureza do fenômeno deveu-se à confusão terminológica, que é bastante difundida. Se o praticante está consciente, mas não sente o corpo como no mundo físico, então pode-se supor que tenha entrado na FASE. É por isso que não havia razão para perguntar sobre isso para objetos animados.

Retornar deliberadamente para o corpo foi um grande erro. Não havia nenhuma razão para jogar fora uma oportunidade de viajar e usar a FASE. Tais oportunidades não são muitas vezes oferecidas aos novatos. A razão para o retorno ao corpo, neste caso, é mais provável ser encontrada na ausência de um plano de ação e falta de entendimento claro de como a FASE pode ser usada para fins práticos.

Número 11

Alexander Lelekov.

Programador de computador. São Petersburgo, Rússia.

Eu tentei, durante toda a noite, usar a “catapulta astral” que lhe envia sugestões enquanto você está sonhando, mas eu desisti da idéia depois de vários despertares sem sucesso, e, simplesmente, adormeci. Quando eu estou sonhando, costumo me movimentar dando saltos grandes, muito maiores do que os de um canguru, cerca de 100 a 300 metros. Isso acontece regularmente nos meus sonhos, e eu costumo perceber imediatamente que estou em um sonho. Durante um dos saltos, percebi, enquanto estava no ar, que eu estava sonhando, e também percebi que eu seria capaz de pousar em uma pequena lagoa suja. Como esperado, eu cai na lagoa e mergulhei fundo na água. E naquele exato momento, eu me encontrei no estêncil (o corpo físico real que não é mais percebido durante a FASE), com as a metade das mãos e da cabeça presa nele.

Fiquei um pouco nervoso pensando que esta tentativa também seria mal sucedida, e então eu imediatamente tentei me separar de meu corpo. Eu era incapaz de colocar minha cabeça ou minhas mãos para fora, e, pela primeira vez, tentei dar a volta ao redor de meu eixo e consegui sair. Então eu escorreguei ou cai da cama, mas não senti nenhuma dor. Eu rastejei por 1 ou 2 metros e depois senti que poderia voltar. Eu comecei a tocar o tapete e alguma outra coisa, embora não soubesse exatamente o que era, pois estava escuro, e, vejam só: dentro de 20 a 30 segundos eu, provavelmente, senti o que gatinhos pequenos sentem quando seus olhos são abertos pela primeira vez. Tudo era nebuloso e embaçado no início, mas depois uma imagem começou a aparecer. O quarto, cheio de luzes e cores, tornou-se brilhante e vívido. Eu me esforcei bastante para conter a minha emoção, e, para minha surpresa, foi capaz de fazê-lo.

Eu andei em torno de meu apartamento pensando no que eu deveria fazer. Percebendo que eu não tinha tanto tempo, decidi falar com um homem idoso que poderia responder às minhas perguntas. Eu decidi que haveria um homem idoso onisciente por trás da porta da frente do apartamento, que eu estava prestes a abrir. E lá estava ele, meio careca, cerca de 60 anos, com um casaco cinza, esperando por mim. Perguntei-lhe o seguinte: “O que devo fazer para entrar na FASE mais freqüentemente?” Mas ele começou a me contar sobre como ela foi estuprada quando era criança. E para ser mais preciso, já não era um homem idoso, mas uma mulher idosa. Eu não estava muito interessado em ouvir sua história, assim, tentei afastar-me dela, sugerindo que pudéssemos conversar mais tarde. Mas a mulher idosa foi persistente, e eu não queria ofendê-la, porque eu pensei que, sendo este um sonho incomum, com seu próprio conjunto de regras, uma vez que eu tivesse feito uma pergunta a uma senhora idosa, supus que teria que ser cortês e ouvir a resposta completa.

Fui com ela para a cozinha do meu apartamento. De repente o telefone tocou. Eu fiquei com medo que o telefone que estava tocando fosse o do meu apartamento e que ele fosse me acordar, razão pela qual eu, imediatamente, comecei a olhar para a minha mão, a fim de me manter na FASE. Mas as sensações foram bastante estáveis, e eu parei de fazer isso. Então, eu e esta senhora quisemos cozinhar algo na minha cozinha. Ela disse que eu poderia aquecer uma frigideira sem gás. Mas, ao invés disso, decidi tentar a técnica de colocar as mãos juntas e soprar sobre elas, e voltar para o meu corpo.

Perguntas: Qual o tipo de entrada na FASE Alexander descreveu? O programa de notificação foi de alguma ajuda? Que tipo de âncora foi o salto? Por que o início da consciência foi imediatamente seguido por uma transição para o estêncil, ou seja, o corpo real, embora não completamente? Que técnica de separação o ajudou a sair de seu corpo novamente? Que técnica foi utilizada para o aprofundamento? Que técnica para materializar um objeto foi usada corretamente? Como deveria ter sido iniciado o procedimento para a obtenção de informações? Que importância tem uma atitude educada em relação às mulheres idosas na FASE? Por que foi possível o retorno ao corpo? O que Alexander esqueceu de fazer logo após o retorno espontâneo?

Respostas e Comentários: Alexander descreveu uma entrada na FASE através da consciência dos sonhos. Em geral, o início da consciência foi facilitado pelo trabalho prévio com o programa de notificação, que, apesar de não produzir resultados, reforçou a intenção necessária para entrar na FASE. O salto que acompanhou o início da consciência pode ser comparado com as sensações de levitação que muitas vezes levam os praticantes a atingir a consciência dos sonhos. Devido à não utilização das técnicas para aprofundamento e manutenção no momento de consciência do sonho, um retorno ao corpo, embora parcial, ocorreu naturalmente.

Além disso, Alexander conseguiu aplicar uma técnica de separação que mais se assemelhava à técnica da escalada. Ele então conseguiu aprofundar corretamente por meio do toque e imediatamente sentiu o resultado. Apesar da falta de um plano de ação, o praticante, competentemente, decidiu fazer algo de útil e empregou a técnica de localização através da passagem por uma porta, a fim de localizar uma fonte de informação animada. Ele deveria ter primeiro feito perguntas especiais para determinar se o objeto seria capaz de fornecer as informações desejadas (ver Capítulo 10).

Ser educado com objetos animados na FASE é prerrogativa individual de cada pessoa, mas dificilmente tem alguma base real. Muito provavelmente, o retorno para o corpo foi provocado por uma falha na manutenção, pensamento em excesso, ou uma passividade temporária. Ao sair da FASE, Alexander deveria ter tentado retornar imediatamente. No entanto, ele não conseguiu fazê-lo, mesmo que ele tenha retornado para a FASE depois de sair do sonho consciente. Tal passo deveria ter sido óbvio devido a uma conexão incompleta com o corpo.

Número 12

Boris Bender

Técnico de cinema, praticante experiente da FASE. Moscou, Rússia

Eu me tornei consciente no meu sonho quase que imediatamente, depois de adormecer. Eu estava em meu apartamento em pé no corredor. Fiquei surpreso por ter me encontrado na FASE tão de repente. Comecei a tocar nas paredes com as minhas mãos para testar sua firmeza ou, seu realismo, bem como para intensificar a FASE através do toque. Entrei no quarto. Havia uma cama junto da parede, com a minha mãe dormindo sobre ela. Eu não podia ver seu rosto, só seu corpo sob o cobertor. O quarto e o corredor eram réplicas exatas de seus homólogos da vida real.

Ao pensar sobre a minha mãe dormindo, de repente comecei a me sentir um pouco desconfortável. Quando me aproximei da janela, vi uma paisagem grotesca por trás dela, que foi semelhante a imagens de filmes sobre catástrofes: um terreno baldio, casas em ruínas, pilha de materiais de construção, lajes de concreto, lixo, crateras de explosões aqui e ali, e notei figuras humanas em alguns lugares.

Temendo um retorno espontâneo causado pelo fato de que eu estava olhando de forma panorâmica (a vista da janela se entendeu por 180 graus, cortada pelo horizonte, que é, na verdade, quase exatamente como a vista do meu apartamento é na vida real), eu voltei para o quarto e comecei a tocar no guarda-roupa, e depois ajoelhei-me para tocar o chão. Todo o tempo, meu medo vinha crescendo mais e mais: por pensar sobre a minha mãe dormindo e, devido à paisagem vista da janela. A ansiedade transformou-se em medo real e, em questão de alguns segundos, se transformou em terror e pânico. Eu perdi a capacidade de pensar criticamente. Eu só tinha um pensamento: Eu tinha que voltar para o meu corpo. Corri de volta para minha cama e, de repente, me vi deitado sobre ela. Fechei os olhos, mas não conseguia distinguir se eu estava em meu corpo real ou ainda na FASE. Meu terror cresceu ainda mais quando eu entreabri meus olhos e vi que minha mãe se levantava de sua cama. Ela parecia um personagem de um filme de terror e, aparentemente, era hostil para mim.

Eu queria desaparecer, dissolver e acordar! Eu tentei, freneticamente, recordar as técnicas para uma saída de emergência da FASE, mas com poucos resultados: Eu tentei congelar, relaxar e tocar meus dedos dos pés, a fim de sentir uma conexão com o meu corpo real. Em alguns momentos eu me senti como se eu tivesse conseguido, pensando: “A conexão foi restabelecida!”. Abri os olhos, mas percebi que eu ainda estava na FASE, então vi que o quarto tinha mudado, e agora estava inundado de lixo.

O fato de que as repetidas tentativas terminavam com falsos despertares foi me deixando louco. Fiquei especialmente chocado quando me levantei depois de um dos falsos despertares e vi minha mãe de pé na minha cama, ainda olhando ameaçadoramente para mim, como um vampiro ou um zumbi de um filme de horror. Além disso, ela começou a estender as mãos em minha direção.

Eu, no entanto, continuei a tentar congelar e mexer os dedos dos pés, desta vez sem abrir meus olhos, e não verifiquei onde eu estava. Eu comecei a acalmar-me depois de algum tempo, mas eu era incapaz de sentir o meu corpo real, o que foi confirmado pelo fato de que sons vinham da FASE: Eu ouvi pardais cantando fora da janela, embora, na realidade, já era tarde demais para pardais estarem cantando do lado de fora. No entanto, o canto e as associações que ele trouxe (calor, dia, pardais, e sol), provavelmente me ajudaram muito e me acalmaram. Eu finalmente consegui sentir o meu corpo real e me encontrei na realidade. No entanto, depois que eu levantei, eu comecei imediatamente a verificar por cerca de meio minuto que eu não estava mais na FASE, tocando objetos, certificando-me que eles eram duros, e percebendo todas as sensações do meu corpo.

Perguntas: Por que houve um risco de que Boris poderia retornar ao seu corpo quando observava a vista da janela? Como Boris poderia examinar a vista panorâmica da janela sem se preocupar com um retorno espontâneo? Quais técnicas de aprofundamento e “manutenção” foram empregadas várias vezes? O que teria acontecido se Boris tivesse translocado a partir da fonte de temor para outro lugar? Como ele poderia ter superado esse problema? Por que Boris não conseguiu sair facilmente da FASE e por que todas as técnicas que ele sabia não tiveram um resultado prático?

Respostas e Comentários: Ao examinar objetos distantes na FASE, há sempre um risco de voltar a seu corpo, porque a atividade é relaxada e o relaxamento é prejudicial para a duração de uma FASE. Boris poderia ter continuado a observar a paisagem com uma vista panorâmica, simultaneamente, mantendo-se as vibrações, periodicamente examinando suas mãos, ou esfregando-as uma na outra. Durante todo a duração da FASE de Boris, ele realizou a amplificação sensorial através do toque para aprofundar e manter a FASE.

Se ele tivesse tentado fugir de sua mãe para um outro lugar na FASE, ela provavelmente o teria pego nesse outro lugar de qualquer maneira. Ele deveria ter tentado gritar com ela em um tom agressivo. Isso o teria ajudado a superar seu medo e afugentado o objeto ou o tornado mais agradável. Os problemas com uma saída de emergência da FASE surgiram porque era o início da noite, e a mente ainda precisava sonhar e, assim, se manteve puxando-o para esse processo.

Número 13

Alexei Teslenko

Engenheiro de Tecnologia da Informação,

praticante experiente da Fase. Moscou, Rússia.

Na verdade, eu não estava planejando viajar naquela noite, mas quando acordei, por volta da meia-noite, decidi tentar entrar na FASE. Eu comecei a realizar movimentos fantasma com os braços, mas, em seguida, uma forte letargia sonolenta me dominou e, de repente, eu queria desistir de minhas tentativas de entrar na FASE e simplesmente adormecer. No entanto, eu fui persistente e continuei a executar movimentos com os braços fantasma. Ao invés de sentir as vibrações habituais que ocorrem quando esta técnica é realizada, eu simplesmente adormeci e continuei os movimentos fantasma durante o sonho. Por causa disso, minha consciência aparentemente não adormeceu completamente, e eu percebi que estava sonhando.

Eu imediatamente sai do meu corpo. Não havia visão, a percepção consciente não era mais de 50%, então a FASE não era tão profunda. A fim de manter a FASE, eu imediatamente comecei tocar tudo ao meu redor de uma forma caótica. Isso me ajudou. A visão veio, embora estivesse escuro. Eu, então, encontrei-me no meu apartamento. Decidi lutar para me aprofundar. Cada vez que eu usava esta técnica, a FASE tornava-se cada vez mais profunda. Depois de eu ter alcançado uma FASE estável, decidi que seria bom pegar um lanche, então me dirigi para a geladeira. Devo acrescentar que eu estava, naquele momento, em uma dieta rigorosa e suplicava por algo doce ou frito. No entanto, quando eu abri a geladeira, fiquei bastante desapontado. Havia muita comida na geladeira, mas todas exigiam preparação (carne crua, peixe, etc.) No entanto, havia uma garrafa de água mineral com gás em uma prateleira inferior da geladeira. Sem pensar, peguei a garrafa e comecei a beber.

Todas as sensações eram como na vida real: eu sentia as bolhas da carbonatação, o gosto peculiar que a água mineral com gás tem, e também como a água desceu pela minha garganta. Em geral, tudo era muito realista, embora não houvesse sensação de estômago cheio de água e, além disso, a água parecia um pouco seca. Parece engraçado, mas a sensação de secura da água estragou um pouco a minha impressão geral. Depois de um retorno espontâneo, percebi que uma possível razão para isso poderia ter sido uma secura na boca do meu corpo real. Normalmente, se houver, por exemplo, doces na cozinha ou na geladeira, eu realmente pego um punhado deles e os consumo durante a viagem através da FASE.

Depois de ir para a geladeira, eu queria ver algo interessante. Eu decidi empregar a técnica para criar objetos e pessoas, e então fechei os olhos e foquei na imagem de uma garota que eu queria ver naquele momento. Afirmei o meu desejo, e então abri os olhos, concentrando-se na área a meu lado. O ar ficou nebuloso no início, e depois a pessoa que eu estava esperando materializou-se, e veio a vida, aparentemente totalmente autônoma e com o livre arbítrio. Ela tinha a mesma maneira de falar como na vida real, e atuou na mesma maneira. Um retorno espontâneo aconteceu enquanto a conversa com a garota estava em pleno andamento…

Perguntas: Que tipo de técnica Alexei utilizou em última instância? Por que a letargia e a sonolência surgiram durante o movimento fantasma? Que deve ser feito nesse tipo de situação? O que foi a falha mais provável quando a técnica indireta foi realizada, e por que a experiência finalizou com o adormecimento de Alexei? Quais técnicas para aprofundamento foram utilizadas? O que poderia ter sido feito para preencher rapidamente a geladeira com alimentos prontos para comer? Qual técnica para localização de um objeto foi usada em relação à garota? O que mais poderia ter sido usado para o mesmo fim, considerando-se as ações de Alexei? O que deveria ter sido feito, imediatamente após o retorno espontâneo? Quais aplicações práticas da FASE Alexei conseguiu experimentar?

Respostas e Comentários: A entrada para a FASE aconteceu porque Alexei teve consciência de que estava sonhando, enquanto ele tentava resistir ao súbito cansaço e sonolência sentido, ao longo de uma tentativa fracassada com a técnica indireta do movimento fantasma. Normalmente, tal sonolência, significa que uma FASE se aproxima, sinalizando uma necessidade de agressividade, atividade, e atenção, a fim de superar a inércia e entrar na FASE. No entanto, faltou atenção, então Alexei adormeceu. Seu desejo de entrar na FASE era tão forte que o movimento fantasma continuou, mesmo quando estava sonhando, fazendo-o experimentar a consciência do sonho.

Entre as técnicas empregadas para o aprofundamento estavam a amplificação dos sentidos através do toque e da corrida. Teria sido suficiente empregar a técnica de localização através de uma porta, para ter a garantia de que o refrigerador tivesse sido devidamente abastecido. Por exemplo: Alexei deveria ter fechado a porta da geladeira, ter concentrado sua atenção em um estoque total de lanches e comida, e então aberto a porta para descobrir que tudo o que ele tivesse imaginado estaria lá.

A técnica para encontrar um objeto através da transformação foi usada para fazer a garota aparecer, mas esta técnica deve ser considerada apenas por profissionais experientes, pois pode levar a um retorno espontâneo em caso de concentração insuficiente. Antes de empregar a técnica, Alexei fechou os olhos, e só então imaginou a garota na frente dele. Ele poderia tê-la criado imediatamente usando a técnica dos olhos fechados, o que geralmente é mais fácil de fazer, já que não há contato visual direto com o ambiente.

Ao retornar ao seu corpo, ele deveria ter tentado se separar novamente. Ao todo, Alexei conseguiu fazer progressos em duas aplicações específicas, apesar de não tê-las concluído de forma satisfatória.

 

Sistema de avaliação de qualidade de experiências fora do corpo (FASES) utilizando-se nota até 5.

Entrada deliberada na FASE usando qualquer técnica

+1

O mundo da FASE foi realista ou a realidade foi criada

+1

A FASE foi de duração média ou acima da média (2 minutos ou mais)

+1

Uso deliberado da FASE visando um objetivo específico

+1

Estudo deliberado da FASE ou sua experimentação

+1

Se houver alguma dúvida a respeito de qualquer item, apenas meio ponto deve ser concedido